Campus, Território do Bem Comum

Este núcleo propõe modos alternativos de partilhar a vida no Campus, tais como o uso de bicicletas compartilhadas e de transporte gratuito, a criação de um parque público, a realização de banquetes e feiras, a implementação de cuidados com o lixo e do uso de materiais reciclados.

 

1. ÔNIBUS GRÁTIS

Ementa: Irá propor um sistema de ônibus gratuito para circular dentro do campus e em conexão com locais estratégicos da cidade, como as ocupações urbanas e a região central. Desenhará itinerários, produzirá material gráfico e promoverá debates sobre mobilidade urbana.

Coordenação: Coletivo Micrópolis. Formado por Belisa Murta, Fernanda Gomes, Felipe Carnevalli, Marcela Rosenburg, Mateus Lira e Vítor Lagoeiro, o Micrópolis realiza trabalhos independentes e com colaboradores externos, propondo transformações no espaço urbano e na experiência da cidade.

Vagas:  15 pessoas
Público: Estudantes e todos os interessados
Período: 21 a 25 de julho
Horário: 14h às 18h (e outros horários escalonados)
Inscrições: de 3 a 13 de julho (prorrogadas até 19 de julho).

 

2. BICICLETAS COMPARTILHADAS

Ementa: Este grupo implementará um sistema de bicicletas compartilhadas no Campus da Pampulha durante o Festival, ensinando a consertar bicicletas descartadas, desenhando mapas e ciclovias e construindo bicicletários.

Coordenação: NoveCatorze, BH em Ciclo, Bike Anjo, Atelier Bicicine e cicloativistas de BH
Vagas: 40 pessoas
Público: Estudantes e todos os interessados
Período: 14 a 26 de julho
Horário: 14h às 18h (e outros horários escalonados).

Inscrições:
Este grupo possui uma dinâmica especial, pois começa antes do Festival, com a oficina de conserto das bicicletas doadas. As inscrições devem ser feitas de 20 a 30 de junho.

2.1 Oficina de conserto das bicicletas doadas

Coordenação: NoveCatorze, BH em Ciclo, Bike Anjo, Atelier Bicicine e cicloativistas de BH
Período: 14 a 16 de julho
Horário: 16h às 20h
Local: Espaço Comum Luiz Estrela (Rua Manaus, 348 – Santa Efigênia/BH)

 2.2 Construção de Bicicletários no Campus

Coordenação: NoveCatorze, BH em Ciclo, Bike Anjo, Atelier Bicicine e cicloativistas de BH
Período: 17 e 18 de julho
Horário: 14h às 18h
Local: Campus Pampulha – UFMG

2.3 Sistema de gestão do compartilhamento das bicicletas no Campus e construção de mapas e ciclovias

Coordenação: NoveCatorze, BH em Ciclo, Bike Anjo, Atelier Bicicine e cicloativistas de BH
Período: 18 a 26 de julho
Horário: 10h às 22h30
Local: Campus Pampulha – UFMG

 

3. MALOCAS E CONSTRUÇÕES EM BAMBU

Ementa: Estudará construções com tecnologias alternativas, especialmente o bambu, como material de baixo impacto ambiental. Ensinará a coletar, tratar e construir com bambu. Edificará uma tenda geodésica que será instalada no Bosque da Música da UFMG para sediar os Encontros Transdisciplinares do Festival, deixando para o Campus esse legado.

Coordenação: Maria Cecília Alves. Arquiteta formada pela UFMG, com uma longa experiência na construção em bambu na Bambuzeria Cruzeiro do Sul.
Assistentes: Patrícia Cioffi, Patrícia Nardini e Ronilson Alves (Tolé)

Vagas
: 12
Público: Estudantes e todos os interessados
Período: 30 de junho a 20 de julho
Horário: 14h às 18h (e outros horários escalonados).

Inscrições:
Este grupo possui uma dinâmica especial: começa antes do Festival, no dia 30 de junho e vai até 20 de julho (pois a construção deve ficar prontas para o evento). As inscrições devem ser feitas no período de 20 a 30 de junho.

 

 4. ESPACIALIDADES DO FESTIVAL

Ementa: Este grupo cuidará da disposição espacial dos eventos, das intervenções e das atividades do Festival. Por meio de ações colaborativas e da invenção conjunta de soluções adequadas aos espaços peculiares do Campus, o grupo desenhará a cenografia de palcos, tablados, espaços de projeção de filmes, performances e de realização de banquetes públicos.    

Coordenação: Adriano Matos Correa. É arquiteto, com Mestrado em Letras pela UFMG (2001) e professor da Escola de Arquitetura e Urbanismo da UFMG, onde realiza seu doutorado. Desenvolve experiências na área de Arquitetura, Urbanismo, Design, Espaços Cenográficos, Ativismo e Ocupações Urbanas, Investigações Pedagógicas e desenvolvimento de Tecnologias Construtivas.

Vagas: 20
Público: Estudantes e todos os interessados
Período: 2 a 26 de julho
Horário: 9h às 12h e 14h às 18h (cronograma a ser construído conforme mapa de espacialidades).

Inscrições:
Este grupo possui uma dinâmica especial: seu período de funcionamento será de 2 a 26 de julho (pois organizará o espaço para os eventos e atividades do Festival).  As inscrições devem ser feitas no período de 20 a 30 de junho.

 

 5. O LIXO NÃO EXISTE

Ementa:. ‘O Lixo não existe’ é um projeto de transformação da cidade que se serve de tecnologias abertas e acessíveis a todos. Sob a coordenação do Coletivo Basurama, os participantes trabalharão com os resíduos produzidos no Campus e aprenderão a utilizar ferramentas, trabalhar com distintos materiais e a instalar equipamentos para dar outras destinações ao lixo.

Coordenação: Coletivo Basurama. Coletivo que realiza projetos de arte e design para transformação social através de estratégias lúdicas e participativas. Entre os seus projetos destaca-se o RUS (Resíduos Sólidos Urbanos), realizado junto à Agencia Espanhola para a Cooperação e o Desenvolvimento (AECID), a curadoria da Noche en Blanco de Madrid e a publicação de vários livros.

Vagas: 30 pessoas
Público: Estudantes e todos os interessados
Período: 21 a 25 de julho
Horário: 14h às 18h (e outros horários escalonados)
Inscrições: de 3 a 13 de julho (prorrogadas até 19 de julho)

 

 6. RECICLAGEM E COMPOSTAGEM

Ementa: Esse grupo investigará como a UFMG descarta seus resíduos e  construirá propostas de articulações em rede para coleta seletiva de itens recicláveis (plástico, alumínio, vidro e papel) e compostagem para matéria orgânica.

CoordenaçãoMark Burr e William Azalim. Mark Burr é graduado em Antropologia pela Universidade da Califórnia e  Mestre em Desenvolvimento Urbano pela UFPE. Fundador e coordenador do Projeto Edifício Ecológico e da AMBIENTAL 21, ONG que realiza coleta seletiva em edifícios residenciais em parceria com associações de catadores. William Azalim do Valle é graduado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Minas Gerais (2012) e mestrando em Engenharia de Produção. Integrante do Núcleo Alternativas. Membro da Frente pela Reforma Urbana das Brigadas Populares.

Vagas: 30 pessoas
Público: Estudantes e todos os interessados
Período: 21 a 25 de julho
Horário: 14h às 18h (e outros horários escalonados)
Inscrições: de 3 a 13 de julho (prorrogadas até 19 de julho).

 

7.   PRÁTICAS DE BIOCONSTRUÇÃO

Ementa: Orientado por uma perspectiva socioambiental e pela adoção de técnicas que reduzem o uso de materiais e energia, o grupo propõe, por meio de ações colaborativas, a construção de pias e banheiros ecológicos que serão utilizados durante a realização do evento.

Coordenação: Cocoletivo. Composto por Ângela Guerra, Kenny Mendes, Sara Borém Sfredo, Silvia Herval, Talita Lessa, Clarisse Marinho, Igor Daniel de Aguiar Borges, o Cocoletivo surgiu de vivências no Núcleo de Infracultura do Espaço Comum Luiz Estrela. O grupo desenvolve pesquisas e práticas no campo da permacultura e bio-ativismo.

Vagas: 15
Público: Estudantes e todos os interessados
Período: 7 a 26 de julho
Horário: 14h às 18h (eventualmente haverá encontros pela manhã).

Inscrições:
Este grupo possui uma dinâmica especial, pois já começa antes do Festival, no dia 07 de julho. As inscrições devem ser feitas no período de 20 a 30 de junho.

O período de funcionamento do GT será de 7 a 26 de julho (eventualmente haverá encontros pela manhã)

 

 8. PLANTAR, COZINHAR E COMER

Inspirado pela generosa culinária das culturas tradicionais e pelo cultivo de hortas, jardins, pomares e florestas, o Festival se propõe a realizar ações que deixem um legado em diferentes espaços do Campus: a Estação Ecológica, os bandejões, as áreas livres reapropriadas para a sociabilidade em torno da comida, com banquetes públicos e piqueniques. Para isso contará com os Grupos de Trabalho Horta Comunitária e  Comidarias em Comum.

Coordenação geral: Marcelo de Podestá. É formado em Comunicação Social pela FAFICH-UFMG e mestre em História e Cultura da Alimentação pela Universidade de Bolonha. É membro da Associação Slow Food e o seu responsável em Belo Horizonte. Tem se dedicado a oficinas de alimentação e gastronomia, dando especial atenção à inclusão social.

 

8.1 HORTA COMUNITÁRIA

Ementa: O grupo plantará uma horta no Campus e aprenderá as técnicas de capinar e regar, o regime de chuvas e os cuidados de manutenção. Realizará ações que envolvam  pessoas no plantio de espécies vegetais (inclusive frutíferas) em um local do campus da UFMG. Promoverá a troca de espécies vegetais entre os participantes do Festival.

Coordenação: Sílvio de Siqueira (Jaboticatubas). Sílvio de Siqueira (seu Badu), morador do quilombo Mato do Tição, é mestre candombeiro do Reinado de Nossa Senhora do Rosário, artesão de múltiplas habilidades, folião reiseiro e agricultor. No cuidado com as plantas e os animais, mestre Badu combina os saberes tradicionais com radioestesia e homeopatia.

Material do participante: Vestuário cômodo (roupas e sapatos), sementes e mudas, caso haja interesse.

Vagas:  25 pessoas
Público: Estudantes e todos os interessados em formas de cultivo tradicional, em alimentos orgânicos e  na agricultura urbana
Período: 18 a 26 de julho
Horário: 14h às 18h (e em outros horários, de acordo com a escala definida pelo grupo)
Inscrições: de 3 a 13 de julho.

 

8.2 COMIDARIAS EM COMUM

Ementa: Comidarias em Comum reunirá pessoas interessadas nos fazeres e tradições culinários: comida como cultura. Propõe um trabalho colaborativo entre os participantes, a partir da convivência: compartilhar receitas, modos de fazer, utensílios, ingredientes, histórias, sementes e saberes, observando-se as diversas etapas de produção da comida. Um ambiente aberto a experimentação, investigação e pesquisa com o objetivo de produzir alimentos dentro Festival de Inverno.

Coordenação Blu Simon Wasem, Francisco Magalhães, Sílvia Herval e Manuel Andrade. Blu Simon Wasem é tecnólogo em Gastronomia pela ASSESC (Florianópolis), desde 2008. Já trabalhou em diversos cargos dentro da cozinha em Florianópolis e Lisboa (Portugal). É também artista multimídia e, algumas vezes, faz do alimento uma forma de expressão artística. Em 2012, viajou para o Sudeste Asiático e passou dois anos trabalhando como artista e e cozinheiro na Malásia, Cingapura, Tailândia, Cambodja, Coreia do Sul e Vietnã. Francisco Magalhães, artista visual formado pela Escola Guignard (UEMG), foi coordenador do Museu Mineiro (de 2005 a 2011), tendo sido responsável pela concepção e coordenação dos projetos Território Museu Mineiro, Sobre Mesa de Queijos, Cozinha Museu, Imagem Iluminada, e o Museu Guardas. Sílvia Herval é arquiteta formada pela UFMG (1996) e cozinheira formada pelo SENAC (2004). Desenvolve projetos de arquitetura, cenografia e figurinos. Produz festas, comidas, mobiliários e hortas. Integrante do Baixo Bahia Futebol Social, Presidente-fundadora do Bloco de Carnaval Vira o Santo. Manuel Andrade, artista, músico e ativista em ocupações urbanas. Desenvolve pesquisa em técnicas alternativas de construção de fornos e fogões e cozinha vegana.

Material do participante:
Levar 1 tempero, 1 faca de corte ou canivete, 1 prato, 1 colher, 1 caneca, além de turbantes e aventais, se julgar necessário.

Vagas: 30
Público: Todos os interessados
Período: 16 a 26 de julho
Horário de funcionamento: 8h às 22h
Horário de produção: 16h às 21h
Inscrições: de 3 a 13 de julho.

9. LETRA À MÃO – SINALIZAÇÃO DO 46º FESTIVAL DE INVERNO DA UFMG.

Ementa: A Pintura de letras com fins comunicacionais e decorativos é uma atividade onipresente nas cidades brasileiras. Pintar letras é uma habilidade muito útil, em contextos de comunicação local para comunidades, ou com fins comerciais e até mesmo políticos. Para o 46º festival de inverno, pretendemos montar uma oficina de pintura e produção de cartazes, placas e painéis pintados à mão, com o objetivo de produzir a sinalizacão do campus para o festival, de uma maneira colaborativa, coletiva e sustentável, utilizando suportes obtidos em áreas de descarte de resíduos sólidos.

Coordenação: Ricardo Portilho e Comum. Ricardo Portilho é graduado em Comunicação Social pela UFMG. Graduado em Desenho Industrial pela UEMG. MFA Design pelo Sandberg Institute, Amsterdã. Desenvolve projetos para clientes e pesquisas de iniciativa própria que utilizam a linguagem do design gráfico em diferentes mídias e contextos. Pesquisa Interfaces entre o Design Gráfico e a Arte Contemporânea. Atua como professor e orientador acadêmico de projetos em Design Gráfico e Artes Visuais. Comum é  artista de rua e MC. Graduando em Artes Gráficas pela Escola de Belas Artes da UFMG, desenvolve trabalhos com o stencil, a pixação e cultura urbana de forma geral.

Vagas: 30
Público: Todos os interessados
Período: 14 a 25 de julho
Inscrições: de 9 a 13 de julho (prorrogadas até 19 de julho).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s